English Português Français Español



miércoles, 16 de enero de 2013

LADAINHAS

Las ladainhas son cantos en solitario normalmente cantados por el Mestre o jogador con más experiencia, tocando el berimbau gunga, que nos narran historias de capoeira, de la naturaleza, personajes históricos, mestres importantes, acontecimientos destacados en la capoeira, descripciones sobre el arte, o simplemente modos de vivir que merecen ser contados al jogador de capoeira. Desde su comienzo, marcado por el 'Iê!' y durante todo su transcurso todo el mundo escucha, los jugadores permanecen quietos al pié del berimbau escuchando lo que el Maestro les tiene que contar mediante el canto.
Se suelen cantar al comienzo de la roda y después de alguna parada o cambio de instrumentos, o al comienzo de un jogo por un jugador experimentado desde el pié del berimbau.
Todo capoeirista debería poder cantar al menos, una ladainha. Aquí van unas cuantas ladainhas para aprender.

LÁ NO CEU TEM TRES ESTRELAS
Iê!
La no ceu tem tres estrelas
Todas tres em carrerinha
Uma é minha e outra é sua
A outra vai ficar sozinha, camará...


O QUE E QUE EU FAÇO
Iê!
O meu Deus, o qué é que eu faço
Para viver neste mundo
Se ando limpo so malandro
Se ando sujo so imundo
O qui mundo velho grande
O qui mundo inganador
Eu digo desta maneira
Foi meu pai que me ensino
Se nao falo sou calado
Se falo sou falador, camará...

MENINO QUE VENDE AÍ
Ié!
Menino que vende aí
Ai meu Deus, vende arroz do Maranhão
Meu senhor mandou vender
Oi iaia, na pedra de Salomão
Sou discipulo que aprendo
Meu mestre me deu liçao
Na roda de capoeira, ai meu Deus
Nunca dou o meu golpe em vão
No dia que me aborreço, ai meu Deus
Dentro de Itabaianinha
Homem não monta cavalo. o iaia
Mulher não deita galinha
Quem será que está rezando, ai meu Deus
Se esqueceu da ladainha. camará...

0 BRASIL DISSE QUE TEM
Iê!
O Brasil disse que tem
O Brasil disse que tem
O Japão disse que não
Uma esquadra poderosa
Pra lutar com os alemãos
Dei meu nome agora vou
Ai. num cortejo militar
0 Brasil ja ta na guerra
Meu dever a ir lutar
A marinha é de guerra
E o exercito é de campanha
O bombeiro apaga o fogo
E o estrangeiro é quem apanha,
camará..

TAVA EM CASA
Iê!
Tava em casa
Sem pensar nem imaginaar
Delegado no momento
Ja mandou foi me intirnar
É verdade meu colega
Com toda diplomacia
Prenderam o capoeira
Dentro da delegacia
Para dar depoimento
Daquilo que não sabia,
camaradinho

LA ATIRARAM NA CRUZ
Iê!
La atiraram na cruz
Eu de mim não sei quem foi
Se acaso foi eu mesmo, ai ai ai
Eu mesmo me perdoé
Besouro caiu no chão
Fez que estava deitado
A policia lá entrou, ai meu Deus
Ele atirou num soldado
Vao brigar com caranguejo
Que bicho quo não tem sangue
Se policia briga mesmo
Vamos pra dentro do mangue, camará...

VOU MIMBORA PRA BAHIA
Iê!
Vou me embora pra Bahia
Pra ver si o dinheiro corre
Se o dinheiro não corre
De fome ninguem não morre
Se voce quiser me ver
bote seu navio no mar
O Brasil está na guerra
Meu deve a ir lutar. camará...

CHUVA, CHUVA MIUDINHA
Iê!
Chuva, chuva miudinha
Na copa do meu chapeu
Nossa senhora permita
Que nego não ta no ceu
Todos branco que se rico
Todos mulato rimpimpão
Todos nego feiticeiro
Todos cigano e ladrão, camará...

A CAPOEIRA AMA A ABOLIÇÃO
Iê!
A capoeira rasga o veio dos algozes
Na convicção da fe contra a escravidão
Doce voz, teus filhos foram hérois
A capoeira ama a abolicão,
camará...

TOPEDEIRA PIAUI
Iê!
Topedeira Piaui, coraçado na Bahia
Marinheiro absoluto
Chego pintando arrelia
Quando se ve cobra assanhada
Nao se mete pe em rodia
Se cobra assanhada morte
Que fosse cobra eu mordia
Mataram Pedro Mineiro
Dentro da Secretaria, camará...

AMANHA É DIA SANTO
Iê!
Amanha a dia Santo
Dia do Corpo de Deus
Quem tem roupa vai a missa
Quem nao tem faz como eu
Casa de palha a palhoca
Se eu fosse fogo eu queimava
toda mulher ciumenta
Se eu fosse a morte
Eu matava, camará...

CAPOEIRA É UMA ARTE
Iê!
Capoeira é uma arte
Capoeira é uma arte
Que o negro inventou
Foi na briga de duas zebras
Que o N'golo se criou
Chegando aqui no Brasil
Capoeira se chamou
Ginga e dança que era arte
Em arma se transformou
Para libertar ao negro da senzala do senhor
Hoje aprendo essa cultura
para me conscientizar
Agradeco ao Pai Ogum
A forca dos Orixás, camará...

DENTE DE OURO
Iê!
Ela tem dente de ouro
Ela tem dente de ouro
Ela tem dente de ouro, ora meu Deus
Fui eu quem mandei botar
Vou jogar nela uma praga
Pre esse dente se quebrar
Ela de mim nao se lembra, ora meu Deus
Nem dela vou me lembrar
Menina diga seu nome
Que eu tambem já digo o meu
Eu me chamo Chita-Fina
Daquele vestido seu
Casa de palha a palhoca
Se eu fosse fogo eu queimava
Toda mulher ciumenta
Se eu fosse a morte
Eu matava, camaradinho...

EU JA VIVO ENJOADO
Iê!
Eu já vivo enjoado
De viver aqui na terra
Oh mamae eu vou pra lua
Falei com minha mulher
Ela então me respondeu
Nos vamos se Deus quiser
Vamos fazer um ranchinho
Todo cheio de sapé
Amanha as sete horas
Nos vamos tomar cafe,
Eu que nunca acreditei,
Não posso me conformar,
Que a lua venha a terra,
Que a terra venha a luar,
Tudo isso é conversa,
Pra comer sem trabalhar,
O senhor amigo meu,
Escute o meu cantar,
Quem é dono não ciuma,
Quem não é quer ciumar,

Camaradinha...

QUEM PEDE, PEDE CHORANDO
Iê!
Quem pede, pede chorando
Quem pede, pede chorando
Quem da merece vontade
Como é triste pra quem pede
Quando é por necessidade
Lá no ceu vai quem merece
Na terra vale quem tem
Dedo de munheca é dedo
Dedo de munheca é mão
O sangue corre nas veia
Na palma da minha mão
La no ceu tem tres estrelas
Todas tres em carreirinha
Uma é minha e outra é sua
A outra vai ficar sozinha, camará...

QUANDO EU CHEGO NO TERREIRO
(João Grande)
Iê!
Quando eu chego no terreiro
Quando eu chego no terreiro
Trato logo de louvar
Louvo a Deus primeiramente
Louvo meu pai Oxalá
Tambem louvo o pai Xangó
E a rainha do mar
Pego licença Deus de Angola
Me de o salão pra vadiar,
camará...

TAVA LÁ NO PÉ DA CRUZ
Iê!
Tava le no pe da Cruz
Fazendo minha oraçao
Sou minino que aprendo
De meu Deus quero a bençao
Cachorro que ingole osso
Ni alguma coisa se fia
Ou na guela ou na garganta
Ou em outra travessia, camará...

NA LADEIRA DE SANTA TEREZA
Iê!
Na ladeira de Santa Tereza
Onde nego matou sinha
Nao era saco de dinheiro
Era saco de pecar
No tempo que eu tinha dinheiro
Sentava na mesa Com Yayá
Hoje dinheiro acabou
Nego chegue pra lá
O que foi que a nega disse
Quando viu sua sinhá
Com uma mão me dé, me dé
Com a outra, dé cá, dé cá,
Camará...

ANÚ NÃO CANTA EM GAIOLA
Iê!
Anú não canta em gaiola
Anú não canta em gaiola
Nem bem dentro nem bem fora
So canta no formigueiro
Quando vê formiga fora,
Camará...

NA LADEIRA DO TENGÓ
Iê!
Na Ladeira do Tengó
Passa o boi o carro chia
Delata torna amarrar
Os cabelos de Maria
Oração do braço forte
Oração de Sao Mateus
Na hora do meio dia
Quem pode comigo é Deus,
camará...

HOJE EU VI UM MENINO (Poloca)
Iê!
Hoje eu vi um menino
Ligeiro é bem verdade
A ele eu aconselho
Jogar com tudo cuidado
Foi na Capoeira Angola
Que aprendí este ditado
Num adianta agilidade
Sem usar a sabedoria
Angoleiro de valor
Nao precisa garantia
Sabe desequilibrar
Se aprumar e não cair
Sabe ceder pra ganhar
Quando quer sabe iludir, camará..

INVEJA MATOU CAIM
Iê!
Menino quem te matou?
Foi a lingua meu senhor
Eu te dava era conselho
Que pensava ser ruim
E eu sempre te dizendo
Inveja matou Caim, camarada...


O SANGUE CORRE NA VEIA
Ié!
O sangue corre na veia
Na Palma de minha mao
O seu nome está gravado
Dentro de meu coracão
Dedo de munheca é dedo
Dedo de munheca é mão
Na roda da capoeira
Nunca dei um golpe em vão
Fecha o corpo camarada
Na Santa Arca do Salomão,
camará...


ILHA DE MARE
Iê!
Quem quiser moça bonita
Va na Ilha de Maré
Com uma mão quebro bulacha
Com a outra tomo café
Minha mae tá me chamando
0 que vida de mulher
Capoeira tá na roda
So vou lá quando puder, camará..

NAO SOU MAL AGRADECIDO
Iê!
Nunca deixei a capoeira no deserto
Nao sou mal agradecido
Tenho os olhos been abertos
Para quem se sentir arrependido
camará...

MINHA MAE VOU SER BOMBEIRO
Iê!
Minha mae vou ser bombeiro
Meu filho bombeiro não
O bombeiro apaga o fogo
Anda com a morte na mão,
camaradinha...

LOUVAÇÃO A PASTINHA 
Iê!
Aconteceu, até hoje ainda me lembro
Aconteceu, até hoje ainda me lembro
Mas foi num dia de Novembro
Numa sexta-feira treze
Sofrendo durante meses
Mestre Pastinha morreu
Mas para ele, a morte foi euforia
Pois viver aqui na terra
Passou fome e agonia
Bem-dito é o mestre
Que chora sapo e chora mundo
Capoeira está de luto
Porque perdeu seu guardião
Na capoeira, teve fama e teve glória
O seu nome está gravado
Está gravado na memória
Adeus Pastinha
Pois a você canto uma prece
Pois bem que você merece
Iê vai com Deus
Descanse em paz
Camará...

O MACACO E O LEÃO
Iê!
O macaco e o leão
O macaco e o leão
Fizeram combinação
O macaco na levada
Dois leão passou a mão
Mariposa não me prenda
Dentro do teu coração
Você tem dente de ouro
Foi eu que mandei botar
Vou te rogar uma praga
Pra esse dente se quebrar
Camaradinha

DIGO SIM E DIGO NÃO

Olhe eu amo a capoeira
Olha eu amo de paixão
Através da capoeira
Eu digo sim eu digo não
Digo não a hipocrisia
Digo não a arrogância
Não também pra opressão
Digo sim pra humildade
Digo sim pra amizade
Pra coisas de coração
Capoeira em minha vida
Me mudou a direção
Hoje eu estou aqui
Amanhã posso estar não
Mas aonde quer que eu vá
Carrego no coração
O toque do berimbau
O toque do agogô
O sonzinho do reco-reco
Do atabaque e do pandeiro
Mesmo se ter paradeiro
Capoeira largo não
Minha mãe me disse sim
O meu pai me disse não
Esta arte fez de mim
Uma pessoa livre em fim
Capoeira é infinita
Não tem coisa mais bonita
É ginga que vai e vem
Capoeira é meu nome
Capoeira está no sangue
Capoeira é estar bem
Camaradinho

VOÇE DIZ QUE SABE TODO
Iê!
Voçe diz que sabe todo
Lagartixa sabe mais
Ela sobe na parede
Coisa que voçe não faz
Camaradinha

SINHORES PEÇO LICENÇA
Iê!

Sinhores peço licença
para comtar uma historia
issa historia meu colega
é da capoeira angola
Mestre Pastinha
foi o rei da capoeira
de Angola em Salvador
morreu pobre na miseria
mais ele tem o seu valor
me insinou o Mestre
o que africano le insinou
me insinou o Mestre
o que africano le insinou
camaradinho...

O BRASIL DISSE QUE TEM

O Brasil disse que tem
O Brasil disse que tem
O Japão disse que não
Uma esquadra poderosa
Pra brigar com os alemão
Dei meu nome agora eu vou
Ai, num sorteio militar
Meu Brasil já tá na Guerra
Meu dever é ir lutar
A marinha é de guerra
O exército é de campanha
O bombeiro apaga o fogo
Os estrangeiro é quem apanha,
camará





AÍ VEM A CAVALARIA
Iê!
Ai vem a cavalaria
Ai vem a cavalaria
Da Princesa Teodora
Cada cavalo uma sela aiaiai
Cada sela uma senhora
Camarada vamos embora
Pra sai dessa jogada
A festa tá muito boa, ora meu Deus
Mas vai têr muita pancada,
camará...


SIRI DE MANGUE
Iê!
Oia lá siri de mangue
Todo tempo não e um
Siri se vendo danado
Na presa do Gaiamum
Eu sei que a maré de Março
É Maré de Gaiamum
Entre grandes e pequenos
Eu pego de um a um
Não tem mestre nem discipulo
Hoje não escapa um, camará...

VOU ME EMBORA PRA BAHIA
Iê!
Vou me embora pra Bahia
Como eu já disse que vou
Se aqui não sou querido
La na minha terra eu sou
Vou me embora pra Bahia
Vou ver se dinheiro corre
Se dinheiro não correr
De fome ninguem não morre,
Camará...

IGREJA DO BOMFIM
Iê!
Igreja do Bomfim
E Mercado Modelo
Ladeira do Pelourinho, aiaiai
E a Baixa do Sapateiro
Por falar em Rio Vermelho
Eu me lembrei do Terreiro
Igreja de São Francisco
E a Praça da Sé
Onde ficam as baianas, aiaiai
Vendendo acarajé
Por falar em Itapuã
E lagoa do Abaeté, camará...

OLHA LA SIRI DE MANGUE
Iê!
Olha lá siri de mangue
Todo tempo no tem um
A certeza que tu não guenta
Com a presa do gaiamum
Maré de março
Maré de gaiamum
Entre grandes e pequenos
Não me escapa um
Siri tá se vendo doido
Nas garras do gaiamum,
camaradinha...

FILHO DE COBRA VERDE
Iê!
Sou filho da cobra verde
Sou filho da cobra verde
Neto da cobra coral
Quem quiser saber meu nome
Meu veneno é de matar
Valha-me Deus Nossa Senhora
Mãe de Deus o Criador
Nossa Senhora me ajude
Nosso Senhor me ajudou. camará...

BAHIA, MINHA BAHIA
Iê!
Bahia minha Bahia
Capital do Salvador
Quem não conhece a capoeira
Nao lhe dá o seu valor
Todos podem aprender
General e tambem doutor
Quem desejar aprender
Venha a Salvador
Procure Mestre Pastinha
Ele é o professor, camará...

TAMANHO NÃO É DOCUMENTO
(Mestre Moraes)
Iê!
Tamanho não é documento
Tamanho não é documento
Colega véi, isso eu vou lhe provar
Meu mestre bateu de sola
Num crioulo de assombrar
Apesar de muito baixo
Colega véi, nunca levou prejuízo
Ele disse pro Diabo
De ajuda não preciso
Essa peleja se deu
Colega véi, na Ladeira da Lapinha
Entre o Diabo malvado
E o meu Mestre Pastinha
Essa história meu colega
Ele contou prá mim
No lugar que eles brigaram colega véi,
nunca mais cresceu capim, camará...

CAPOEIRA NAO MORREU
(Natinho)
Iê!
Capoeira nao morreu
Capoeira nao morreu, ôi iaia
Isso agora eu vou mostrar
Vou jogar Capoeira Angola, ôi iaia
E de o meu mestre vou lembrar
Ele chamava Pastinha, ôi iaia
Urn nome bem popular
Na roda da capoeira, ôi iaia
Ele teve que mostrar
Ele agora é falecido, ôi iaia
Mas teve o que deixar
Deixou a Capoeira Angola, ôi iaia
Hoje eu vivo a praticar, camará...

EU VOU LER 0 BE-A-BA
Iê!
Eu vou ler o be-a-bá
Be-a-bá do berimbau
A cabaça e o caxixi
Colega véi, e um pedaço de pau
A moeda e o arame
Colega véi, ai está um berimbau
Berimbau é um instrumento
Quo toca numa corda só
Toca São Bento Grande
Colega véi, e Angola em dó maior
Agora acabei de crer
Colega véi, berimbau é o maior,
camará...

MENINO QUEM FOI SEU MESTRE
Iê!
Menino quem foi seu mestre, oi iaia
Meu mestre foi Salomão
Andava de pé pra cima, ai meu deus
Com a cabeça no chao
A ele devo saber, saude e obrigaçao
sou discipulo que aprendo
sou mestre que da liçao
o segredo de Sao Cosme
só quem sabe e São Damião, camará...

Tamben:
Iê!
Menino quem foi seu mestre
Meu mestre foi Salomão
Sou discípulo que aprende
Sou mestre que da lição
O mestre que me ensinou
no Engenho da Conceição
A ele devo o dinheiro,
saude e obrigação
o Segredo de São Cosme,
so quem sabe é São Damião,
camará

CAPOEIRA DE ANGOLA (Poloca)
Iê!
Capoeira de Angola
Capoeira de Angola
De Pastinha e Waldemar
Tantos prá lembrar
Foi com a dança da zebra
Que os Bantos veio prá cá
Pelo seu espirito guerreiro
Não quiseram se entregar
Foi dentro das capoeiras
Que eles foram praticar
O belo jogo de Angola
Que o negro trouxe de lá, camará...

HOJE VAI TER BRINCADEIRA
Iê!
Hoje vai ter brincadeira
No terreiro dos Angola
Vão dançar e mandingar
Com gunga, médio, e viola
Se voçe não respeitar
Dé desculpa e vá embora
A força está na reza
E melhor não duvidar
Minino saiu na chuva
É porque quis se molhar
Se tu pode com mandinga
Carregue seu patuá, camará...

NO PORTO DE ARATÚ
Iê!
No Porto de Aratú
No Porto de Aratú
Ví jogá a capoeira
Como ninguem vai jogar
Dois minino de Pastinha
Todos dois eram João
Um chamava cobra mansa
E outro o gavião
Um voava pelos ares
O outro ia pelo chão, camará...

JURAMENTO (Lindinalva
Damasceno)
Iê!
A quem me ouve, eu vou dizer
A quem me ouve, eu vou dizer
Vou fazer um juramento
Elevar a capoeira até lá no firmamento
Alegrar o Seu Pastinha
Seu antigo pensamento
De dá glória a essa arte
Pelo seu merecimento
Capoeira a arte e luta
Dependendo do momento
Eu não nego meu colega
Nessa vida eu tive sorte
Isso eu hei de conseguir
Antes que me cheque a morte,
camará...

ME TRATA COM MAIS RESPEITO
Iê!
Me trata com mais respeito
Que é sua obrigação
Todo mundo é obrigado
A possuí educaçao
Me trata com mais respeito
Veja que eu lhe tratei bem
Como vai como passó
Como vai como não vem, camará...

MAIOR É DEUS

Iê!
Maior é Deus
Maior é Deus, pequeno sou eu
Todo o que eu tenho
Foi Deus quem me deu
Na roda de capoeira
Grande e pequeno sou eu...

EU VOU LER MEU ABC
Iê!
Eu vou ler meu ABC
Porque não quiseram contar
Foi la no Gingibirra
Que me deram este lugar
Foram lá muitos mestres
Corn Pastinha jogar, camaradinha...

MEU MESTRE JA ME DIZIA
Iê!
Meu mestre já me dizia
Prá voçe não gostar de mim
Goste então da capoeira
Zele dela até o fim
Pastinha que lhe ensinô
Ele agora ensina a mim
Minino siga o caminho
Que o velho mestre traçou
Respeitando a capoeira
Nosso jogo de valor, camará...

RIACHÃO
Iê!
Riachão tava cantando
Na cidade de Açú
Quando apareceu um nego
Da espécie de urubu
Com um chapéu de couro
Paletó de couro cru
Beço grosso e virado
Da grossura de um chinelo
Urn olho bem encarnado
E o outro amarelo
Convidou Riachão
Para cantar um martelo
Riachão disse eu não canto
Corn nego desconhecido
Ele pode ser escravo
Que anda por aí fugido, camará...


EU NASCI PRA CAPOEIRA
Iê!
Eu nasci pra capoeira
Capoeirista eu hei de ser
Só deixarei a capoeira
Quando eu morrer, camará...


ERA EU ERA MEU MANO
Iê!
Era eu, era meu mano
Era meu mano era eu
Eu vi a terra molhada
Mas não vi quando choveu
Era eu, era meu mano
Era eu, mano era eu
Dou o nó e escondo a ponta
Só ele prá desatar, camará...


VIVA A BAHIA
Ié!
Ioiô, viva a Bahia
Ioiô, viva a Bahia
Terra boa e adorada
Terra rica de grandeza
Onde Deus fez a morada
Onde tem o Calix Bento
e a Hóstia Consagrada
Onde nasceu a capoeira
Inda luta os camaradas...
Aquinderrei...


NA CIDADE ONDE EU MORO
Iê!
Na cidade onde eu moro
Todos os bichos são valentes
Preá insulta cachorro
Lagartixa morde gente
Caruru engole fogo
Ó que bicho renitente,
camaradinha...

EU SOU FILHO DA BAHIA (Poloca)
Iê!
Eu sou filho da Bahia
Eu sou filho da Bahia
Capital é Salvador
O segredo da capoeira
So sabe quem procurô
Quem nunca teve um mestre
Não pode ser sabedor
Das artes e artemanhas
Deste jogo de valor
Bahia minha Bahia
Terra de tanta magia
Também de muitas igrejas
De mandingas e ladainhas
Berimbau está batendo
Atabaque em companhia
Tem pandeiro e reco-reco
E agogo na bateria
Ouça agora meu colega
Essa é minha ladainha, Camará...

LOUVAÇÃO A ZUMBI 
Iê!
Viva Zumbi
O Guerreiro dos Palmares
Viva Zumbi
O Guerreiro dos Palmares
Que transformou sua vida em sangue
Em busca da liberdade
Liberdade já raiou
Igualdade ainda não
O negro é braço forte
É o orgulho da nação
Carregou pedra na cuca
E apanhou sem ser ladrão
A mãe preta inocente
Chorava em aflição
Recorreu a Sinhazinha
E recebeu um empurrão:
"Sai daí, negra maluca,
Tu vai direto pro porão."
Se vocês aqui soubessem
O valor que o negro tem
Pintavam sua pele toda
E ficavam negros também
Camará...

A HISTÓRIA NOS ENGANA (M. Moraes)

A história nos engana
Diz tudo pelo contrário
Até diz
que abolição
Aconteceu no mês de maio
A prova dessa mentira
É que da miséria eu não saio
Viva vinte de novembro
Momento para se lembrar
Não vejo no treze de maio 
Nada para comemorar
Muitos tempos se passaram
E o negro sempre a lutar
Zumbi é nosso herói,
colega velho Do Palmares foi senhor
Pela causa do homen negro
Foi ele quem mais lutou
Apesar de toda luta, colega velho
O Negro não se libertou, camarada


EU JA VIVO ENJOADO
Eu ja vivo enjoado
De viver aqui na terra
o mamai eu vou pra lua
Falei com minha mulher
Ela entao me respondeu
Nos vamos se Deus quiser
Vamos fazer um ranchinho
Tudo cheio de sapé
Amanhá as sete horas
Nós vamos tomar café
Eu que nunca acreditei
Nao posso me conformar
Que a Lua venha à Terra
Que a Terra venha à Lua
Tudo isso é coversa
Pra comer sem trabalhar
O senhor amigo meu
Escute o que eu vou falar
Quem é dono nao ciuma
Quem não é quer ciumar
Camarada!

PRENDERAM CAIÇARA
Iê tava em casa
Iê tava em casa
Sem pensar nem imaginar
Delegado no momento
Já mandou oi me intimar
É verdade meu colega
Com toda diplomacia
Prenderam seu Caiçara
Dentro da secretária
Pra prestar depoimento
Daquilo que não sabia
Minha Mãe tinha tres filhos
Eu era o mais sossegado
Saia boca da noite
E chegava de madrugada
Na roda da Capoeira
Eu nunca entrei corpo errado
Há Haí...






2 comentarios:

  1. Brigadão pelas belíssimas Ladainhas tiradas do fundo do Baú!!! Matei a saudade dos mesus primeiros passos nesta Arte Linda!!! Meus parabéns ao autor do Blog!! Leiteiro

    ResponderEliminar
  2. Voltei pois precisei copiar a núsica Ai meu Deus oque é que eu faço, aí notei que faltou um pedaço nela e a Homenagem a morte de Mestre Pastinha também tem erros! Se quiserem me coloco a disposição para correção das que eu conheço! Grato pela consideração!
    Leiteiro
    O QUE É QUE EU FAÇO
    Iê!
    Ai meu Deus, o que é que eu faço
    Para viver neste mundo
    Se ando limpo sou malandro
    Se ando sujo sou imundo
    O qui mundo velho grande
    O qui mundo enganador
    Eu digo desta maneira
    Foi meu pai que me ensinou
    Se não falo sou calado
    Se falo sou falador

    Se como sou guloso
    Se não como sou mofino
    Se não brigo sou covarde
    Se mato sou assassino, camará....

    ResponderEliminar

Entradas populares